segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Ceará: Guimarães cobra Dilma e Lula no palanque de Camilo

Reproduzido Jornal O Povo: O deputado federal José Guimarães (PT) viajou a São Paulo nesta segunda-feira, 1º, para cobrar vinda de Dilma Rousseff (PT) e do ex-presidente Lula (PT) à campanha de Camilo Santana (PT) no Ceará. Segundo o petista, Direção Nacional do PT “precisa se dar conta” de que o partido tem candidato no Estado e que campanha no Nordeste sem os dois seria “erro grave”.
Eu vou para São Paulo tratar disso (vinda de Dilma e Lula) (...) o PT tem candidato a governador para o Estado, e acho que a Direção Nacional do PT precisa se dar conta disso. Não podemos fazer campanha no Ceará e no Nordeste sem presença do Lula e da Dilma, acho um erro grave”, disse Guimarães, vice-presidente do PT, ao Blog do Eliomar.
Em agosto, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou que visita de Dilma ao Ceará era pouco provável, por conta da candidatura do aliado Eunício Oliveira ao governo. “Ou ela vem para apoiar os dois, ou não vem para nenhum”, disse.
Guimarães contesta a posição: “o que se escuta é Eunício dizer que apoia a Dilma, mas a política não pode ser só assim. Você tem que ter gestos objetivos, e o palanque por trás do Eunício é todo contra a Dilma”, disse.
"Marina é invenção"
José Guimarães questionou ainda desempenho de Marina Silva (PSB) nas pesquisas eleitorais. “A Marina é uma produção midiática, uma invenção, que está dando certo até agora. Em que momento isto vai ser desatado o nó, eu acredito que com um bom enfrentamento”. No último levantamento do Ibope, Marina aparece empatada com Dilma Rousseff.
Redação O POVO Online - com informações do Blog do Eliomar

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Vídeo: Dilma Debate na BAND - Completo

Instituto Lula promove Colóquio sobre integração Chile-Brasil

Reproduzido do Instituto Lula: O Colóquio Chile-Brasil reuniu nesta terça-feira (26), em São Paulo, estudiosos, líderes políticos e representantes sindicais e sociais para discutir a integração da América do Sul. A contextualização da integração regional e o combate à desigualdade, por meio da inclusão social, foram retratados na primeira etapa do encontro, que é realizado pela Iniciativa América Latina do Instituto Lula, em parceria com a Embaixada chilena, Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso-Chile) e a Universidade Federal de Integração Latino-Americana (Unila).
Luiz Dulci, diretor do Instituto e ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, iniciou a atividade e destacou a amplitude do encontro, que reúne dirigentes, pesquisadores, representantes de organizações populares e sociais, além de sindicalistas urbanos e rurais, para compartilhar experiências exitosas e debater os desafios futuros.
Edgardo Riveros, subsecretário de Relações Exteriores do Chile, frisou que América do Sul e América Latina devem e podem ter uma maior incidência na configuração da nova ordem mundial. “Depende de apresentarmos um só olhar sobre assuntos que interpelam a todos como segurança, mudanças climáticas e agenda de desenvolvimento”, detalha. A condição, neste caso, é encontrar “convergência na diversidade”.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Ibope: Dilma 34%, Marina 29% e Aécio 19%

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (26) aponta Dilma Rousseff (PT) com 34% das intenções de voto para presidente da República e Marina Silva (PSB), com 29%. O candidato do PSDB, Aécio Neves, tem 19%, seguido de Pastor Everaldo (PSC) e Luciana Genro (PSOL), com 1% cada um. Os outros seis candidatos somados acumulam 1%.
O levantamento indica que, em um eventual segundo turno entre Dilma Rousseff e Marina Silva, a ex-senadora teria 45% e a atual presidente, que tenta a reeleição, 36%.
Encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo", a pesquisa é a primeira do Ibope com Marina Silva como candidata do PSB.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no último dia 7, o candidato do partido ainda era Eduardo Campos, que morreu em acidente aéreo no último 13. Naquela pesquisa, Dilma tinha 38%, Aécio, 23%, e Campos, 9%. Entre uma pesquisa e outra, a taxa de indecisos passou de 11% para 8%, e a de quem pretende votar em branco ou nulo, de 13% para 7%.
Confira abaixo os números na modalidade estimulada da pesquisa (em que o pesquisador apresenta ao entrevistado um cartão com os nomes de todos os candidatos):

sábado, 23 de agosto de 2014

Vídeo: Dilma na TV: 2º Programa http://youtu.be/ezW4qKt99-g

Brasil da Mudança lança capítulo sobre combate à corrupção

Reproduzido Instituto Lula: Já está no ar mais um capítulo do site O Brasil da Mudança. O tema é Combate à Corrupção , que nos governos Lula e Dilma tornou-se, pela primeira vez na história, uma ação permanente do Estado. Ampliou-se a transparência, reforçou-se as instituições de fiscalização e punição dos corruptos e foi respeitada a autonomia do Ministério Público e do Judiciário.
O orçamento da Polícia Federal cresceu de R$ 1,8 bilhão em 2002 para R$ 4,7 bilhões em 2013. Mais de três mil agentes foram incorporadas. Novas e modernas viaturas, helicópteros, embarcações e armas aumentaram a eficiência do órgão, que realizou mais de 2.200 operações especiais em menos de 12 anos.
Lula e Dilma também aposentaram de vez a triste figura do “Engavetador-Geral da República”, usado pela imprensa devido ao arquivamento de muitas denúncias no período entre 1994-2002. Desde 2003, o Procurador-Geral da República é indicado sempre respeitando a votação dos  próprios colegas do Ministério Público.
Outras medidas fundamentais foram tomadas, como a criação da Controladoria-Geral da União (CGU), que fiscaliza órgãos públicos federais e milhares de municípios, e do Portal da Transparência, que disponibiliza informações detalhadas sobre todos os gastos do governo federal, além das sanções da Lei Anticorrupção, que pune as empresas corruptoras, e da Lei de Acesso à Informação, ferramenta de controle de gestão acessível a qualquer brasileiro.
Saiba mais em hhttp://brasildamudanca.com.br/combate-corrupcao/

Os benefícios do banho de sol

Um remédio natural, saudável e recomendado por muitos especialistas. Estamos falando do banho de sol – que, com a devida proteção e em quantidades moderadas, traz inúmeros benefícios à nossa saúde.
A exposição solar aumenta a produção da vitamina D no nosso organismo, que é importante na prevenção de doenças crônicas como a osteoporose, raquitismo, diabetes e problemas cardiovasculares. A “dose diária recomendada” é de 15 minutos e não precisa estar de biquíni na beira da praia: dá pra aproveitar o horário do almoço para tomar um pouco de sol nos braços e nas pernas.
Recentemente, um estudo feito na Universidade de Copenhague elencou mais um benefício da exposição solar. Os pesquisadores constataram que os banhos de sol podem diminuir os riscos de um ataque cardíaco – para isso, analisaram registros de parte da população da Dinamarca que apresentava câncer de pele. Apesar do diagnóstico de câncer, estes pacientes são 4% menos propensos a ter um ataque cardíaco e também tem menos chances de morte precoce.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Uso de jato que matou Eduardo Campos violava lei eleitoral

Avião está em nome de grupo de usineiros; legislação veda esse tipo de ajuda a candidatos
Por Jailton de Carvalho, Evandro Éboli e Geralda Doca
BRASÍLIA — O avião Cessna PR-AFA que caiu em Santos no último dia 13, matando o candidato à Presidência Eduardo Campos e mais seis pessoas, não poderia ter sido usado na campanha do PSB, segundo duas autoridades da Justiça Eleitoral ouvidas pelo GLOBO. Até hoje, o jato está registrado na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em nome da AF Andrade, um grupo de usineiros de Ribeirão Preto.
Pela resolução 23.406 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), uma empresa só pode doar produto ou serviço relacionado a suas atividades fins. Porém, não há registro de que a AF Andrade atue como empresa de táxi aéreo. Os gastos com o avião também não foram incluídos na primeira prestação de contas do PSB ao TSE.
RESOLUÇÃO IMPÕE RESTRIÇÃO
As restrições a transações como o empréstimo do avião de uma empresa privada aos candidatos do PSB estão previstas no artigo 23 da resolução 23.406. Pelo artigo, “bens e/ou serviços estimáveis em dinheiro doados por pessoas físicas e jurídicas devem constituir produto de seu próprio serviço, de suas atividades econômicas e, no caso dos bens permanentes, deverão integrar o patrimônio do doador”. Ou seja, uma empresa que não presta serviço aéreo não pode ceder avião para campanha eleitoral.
— A resolução é simples. Um posto de gasolina só pode doar gasolina, mas não pode doar papel. Empresas e pessoas só podem doar serviços e produtos de suas próprias atividades — explica um dos especialistas que trabalharam na definição das regras eleitorais.

Vídeo: Mino Carta explica porque Aécio é o maior prejudicado por Marina

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Dilma no JN: "Queremos continuar a ser um país de classe média..."

A presidenta Dilma Rousseff concedeu entrevista ao Jornal Nacional nessa segunda-feira (18), ocasião em que falou sobre combate à corrupção, saúde, inclusão social e economia, entre outros assuntos. Quando indagada sobre inflação, em meio a insinuações de possíveis descontroles nos índices, Dilma simplesmente respondeu: “Bonner, não sei de onde são seus dados. A inflação vem caindo desde abril, a inflação caiu a 0%”, explicou pacientemente ao jornalista.
Além disso, mostrou por que acredita em uma melhora efetiva da economia do país nesse segundo semestre, baseando-se em análises econômicas: “tem uma coisa em economia chamada índices antecedentes" - por exemplo, o consumo da energia elétrica, a quantidade de papelão utilizada, etc -  que, no caso do Brasil de 2014, indicam que a economia crescerá no segundo semestre.
Dilma ainda lembrou que o Brasil foi o único país a passar pela crise com geração de emprego e renda. "Pela primeira vez, enfrentamos a crise não desempregando, não arrochando salários, não aumentando tributos - pelo contrário, reduzimos, por exemplo, os impostos da cesta básica".  Ela reiterou ainda que milhões de cidadãos foram retirados da pobreza e hoje o Brasil tem uma nova classe média: “queremos continuar a ser um país de classe média, com mais oportunidades para todos”.
E como esse é um governo que não se foca apenas em economia, pode também destacar a política pública adotada pelo governo para enfrentar a falta de médicos nos hospitais. Foram 14 mil contratados com o Mais Médicos, que hoje beneficia 50 milhões de pessoas. A presidenta recordou que lançar o programa foi um desafio e que o governo enfrentou grande resistência. Dilma ainda destacou que hoje o objetivo é garantir também o tratamento em especialidades, como cardiologia, por exemplo, além de exames laboratoriais envolvidos.
Questionada sobre as filas nos hospitais públicos em todo o país, a presidenta defendeu a importância de uma reforma federativa, para mais transparência e definição de papéis do governo federal, de estados e municípios em relação a temas centrais como a saúde, de maneira bem definida e conhecida pela população.
Outro tema abordado foi o combate à corrupção. “Nós fomos o governo que mais estruturou os mecanismos de combate à corrupção”, disse Dilma,  elencando medidas como maior autonomia da Polícia Federal, a criação da Controladoria Geral da União (CGU), a Lei de Acesso à Informação e o Portal da Transparência. Dilma também destacou a relação respeitosa do governo federal com o Ministério Público, que hoje tem um Procurador-Geral e não um Engavetador-Geral da República. Nesse ponto Dilma ainda explicou o porque dessa mudança de postura: “Escolhemos procuradores com absoluta isenção”.
Confira a íntegra da entrevista a William Bonner e Patrícia Poeta:

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Marina traiu o PT, o Lula, a sua história e trairá o PSB

Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre
De repente, Eduardo Campos, um político promissor, mas pouco conhecido do povo brasileiro, é transformado pela imprensa de direita em um novo Getúlio Vargas. Todavia, Eduardo Campos nunca governou o Brasil, mas apenas o tradicional e histórico Estado de Pernambuco, com a cooperação sistemática e até mesmo generosa do Governo Lula, que investiu pesadamente no importante Estado nordestino e, evidentemente, ajudou, e muito, para que Eduardo Campos se reelegesse governador e se tornasse a força política pernambucana dominante. Tão ganancioso que chegou ao ponto de se considerar politicamente forte para romper com o PT e se lançar candidato a presidente da República.
O PSB, partido de Campos, juntamente com o PCdoB, tem uma longa história de alianças com o PT. Desde 1989, quando aconteceu a primeira eleição presidencial após a redemocratização do Brasil, os “socialistas” acompanham o PT e governam o País em âmbito federal, porque sempre tiveram ministros, diretores de estatais importantes e seus governadores sempre receberam a atenção devida dos presidentes trabalhistas, Lula e Dilma Rousseff.
De repente, não mais do que de repente, o candidato do PSB, Eduardo Campos, morre em um trágico acidente de avião, em Santos. A campanha experimenta uma reviravolta e a direita partidária e seus cúmplices e aliados, os magnatas bilionários de imprensa, esquecem o tucano Aécio Neves e voltam suas baterias para a vice de Campos, Marina Silva, que por não conseguir as assinaturas necessárias para criar a Rede Sustentabilidade e, consequentemente, ficar de fora do processo eleitoral, ingressa no PSB, sendo que em 2010 ela foi candidata a presidente pelo PV, partido que ela deveria permanecer, afinal ela é “verde”, ex-ministra do Meio Ambiente do Governo Lula por seis anos e por isso deveria, no mínimo, demonstrar apreço à sua consciência política e a seus valores forjados por ela em seu passado.

Marina Silva Plano B Tucano

Voz poderosa na formulação econômica do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros aposta que um eventual governo Marina Silva contaria com quadros tucanos na economia, como André Lara Resende e Eduardo Giannetti da Fonseca; ex-ministro do governo FHC, ele projeta que a virtual candidata do PSB, em substituição a Eduardo Campos, "deverá seguir esta cartilha (trazer inflação para a meta, realinhamento de preços administrados, disciplina fiscal, etc...)"; Mendonção, como é conhecido o ex-ministro do Desenvolvimento, prevê que a ex-ministra do Meio Ambinete teria "dificuldade de diálogo com o establishment político", mas, ao mesmo tempo, acredita que "diversos quadros de melhor qualidade, assim como o próprio PSDB, se aliariam a Marina e ao PSB para lhe dar suporte no Congresso"; tucanos constróem plano B.
247 – Uma das estrelas do comando econômico do PSDB, Luiz Carlos Mendonça de Barros enxerga um eventual governo de Marina Silva, que deve ser oficializada candidata a presidente pelo PSB até a quarta-feira 20, como uma espécie de Plano B tucano, caso o candidato do partido, senador Aécio Neves, não vença as eleições.
Em um texto publicado em sua página no Facebook, o economista, que foi ministro do Desenvolvimento e presidente do BNDES no governo de Fernando Henrique Cardoso, aposta que Marina contaria com quadros tucanos para administrar a economia.

domingo, 17 de agosto de 2014

Cenas de um velório: Lula chora, Marina sorri

Imagens captadas no velório de Eduardo Campos revelam uma Marina Silva mais leve do que sugeria o discurso oficial da candidata, que se dizia mais abalada do que a própria viúva Renata Campos; numa das fotos, ela se debruça sobre o catre e um assessor sorri ao seu lado; diferentemente, o ex-presidente Lula caiu aos prantos ao abraçar a viúva Renata e segurar no colo o recém-nascido Miguel, quinto filho do ex-governador pernambucano.
Pernambuco 247 - Imagens captadas por fotógrafos no velório de Eduardo Campos, realizado neste domingo, no Recife, revelam uma Marina Silva mais leve do que sugeria seu discurso oficial - nos últimos dias, interlocutores vazaram a informação de que ela teria ficado mais abalada do que a própria viúva Renata Campos, que teria tido a capacidade de confortá-la.
Em algumas cenas, Marina parece leve e até esboça sorrisos. Numa das das imagens, ela se debruça sobre o féretro de Eduardo Campos e um assessor, ao seu lado, sorri.
De maneira distinta, o ex-presidente Lula não conseguiu conter sua emoção. Caiu em prantos ao abraçar a viúva Renata e os filhos de Eduardo Campos. Em entrevista à Globonews, o irmão do ex-governador, Antônio Campos, ressaltou a amizade entre as duas famílias. "Estive com o presidente Lula e falamos que, acima das diferenças políticas e eleitorais, momentâneas, existe a forte amizade que une nossas famílias", afirmou.

Vídeo: Se não tivesse o Prouni, nada disso teria acontecido

Pasadena dá lucro de 130 milhões

A refinaria de Pasadena continua apresentando resultados positivos. Relatório divulgado aos investidores pela Petrobras com o resultado do primeiro semestre do ano destacam o aumento da produção de óleo e gás em 4%, saindo de 209 mil barris de petróleo equivalente por dia (boed) do 1° trimestre para 217 mil boed no 2° trimestre do ano. Segundo o documento (link is external), o aumento está relacionado à maior produção da refinaria de Pasadena "devido à maximização da carga fresca e à excelente disponibilidade operacional". O lucro da unidade foi de cerca de US$ 130 milhões, motivado, principalmente, pelo benefício do uso do petróleo não convencional produzido nos Estados Unidos
O resultado de agora reforça os dados do 1° trimestre. O tema foi tratado em audiência pública no Senado pela presidenta da empresa, Maria das Graças Foster: "Temos uma refinaria que opera com segurança hoje. Temos uma refinaria que no mês de janeiro, no mês de fevereiro deste ano e de março deste ano deu resultado positivo", disse à época. Naquela ocasião, matéria divulgada pela Reuters destacou que a refinaria no Texas registrou lucro no 1° trimestre e que, desde 2012, "recuperou margens de lucro no refino, mesmo sem recuperar os excelentes patamares da época do acordo inicial, em 2006".
Fonte: MUDA MAIS.

Mídia ataca Dilma

Mídia ataca Dilma e poupa demais candidatos, afirma pesquisa da UERJ
Manchetômetro analisa o viés editorial dos principais jornais do País nas eleições de 2014. Pesquisa aponta campanha partidarizada contra a presidenta e contra a economia brasileira.
Pesquisa feita por estudiosos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) aponta a partidarização dos jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo e O Globo, e do televisivo Jornal Nacional, da TV Globo.
O levantamento, intitulado “Manchetômetro”, mostra que esses principais representantes da mídia tradicional brasileira prejudicam a imagem da presidenta Dilma Rousseff ao priorizar a divulgação de notícias negativas em detrimento das positivas, o que não se repete em relação aos demais candidatos à Presidência da República. Os dados apontam a mesma prática em relação ao Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A análise, feita por membros do Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública da UERJ, tem como foco as capas dos jornais desde o início de 2014. Os pesquisadores avaliam se a manchete ou chamada é positiva, negativa, neutra ou ambivalente para a imagem do candidato, partido, pessoa ou governo. Para avaliar o Jornal Nacional, os estudiosos medem o tempo da notícia e a valência.
Para o coordenador do projeto, João Feres, a ideia é fazer com que a pesquisa também seja ferramenta de cidadania e até mesmo de contraponto às informações divulgadas pela imprensa diariamente.
“Não há notícias mostrando o outro lado, então não é possível ter uma ideia mais concreta sobre as informações. A contribuição maior é para o esclarecimento da opinião pública”, afirmou.
“A gente fica à mercê da grande imprensa brasileira”, explicou.

Os amigos do “Blue”

Por Darío Gomel - Jornalista Buenos Aires/Argentina - dariogomel@gmail.com
Na semana passada num programa de TV do grupo Clarim (canal 13), atravessaram todas as barreiras do senso comum (ainda que o senso comum seja, para alguns, o senso das maiorias, mas esse é outro debate). O dólar “blue”, novo fetiche dos “gurués” econômicos, conquistou um lugar que tivesse sido impossível se não posse pelo debate mídia-governo
Que é o “dólar blue”? É o dólar informal, o que não está registrado no mercado de capitais.  Devido às políticas de proteção da moeda nacional (Peso) o governo argentino adotou um plano protecionista para se alguém desejar adquirir a nota dos Estados Unidos deverá atravessar certos prazos legais. Então, como agora os “Franklins” são mais difíceis de conseguir, este dólar “blue” é mais caro do que dólar oficial. Si algum cidadão argentino o turista quisesse consegui-lo, pode fazê-lo nas chamadas “covas”; lugares não registrados onde também dizem que se conseguem reais
Por que esse fanatismo pelos dólares? O que o brasileiro tem que saber é que, até hoje, os argentinos utilizamos para fazer algumas trocas, dólares. O caso mais extremo e a compra-venda imobiliária. Ou seja, uma casa no típico bairro de Flores na cidade de Buenos Aires, ou em frente da Casa Rosada, custa em dólares. Este pensamento de poupar em alguma moeda internacional não e novo. Acontecia antes da chamada hiperinflação na volta á democracia, na crise, institucional de 2001, etc., Sobretudo, na década neoliberal, quando um peso era o mesmo que um dólar (O que significou a morte da indústria nacional).

sábado, 16 de agosto de 2014

É fácil entender porque conservadores preferem Marina

Por Paulo Moreira Leite - blog:
A falta de cerimonia exibida por tantos colunistas conservadores para emplacar Marina Silva de qualquer maneira como candidata presidencial do PSB, menos de 24 horas depois da morte de Eduardo Campos, é um sintoma de vários elementos da campanha de 2014.
O maior é o receio de que Aécio Neves já tenha chegado a seu limite eleitoral – muito longe daquilo que seria necessário para dar a seus aliados esperanças reais de vencer o pleito – e é preciso encontrar um atalho para tentar derrotar Dilma. Desse ponto de vista, a oportunidade-Marina veio a calhar.
Ao contrário de Aécio Neves, herdeiro identificado com o mais tradicional conservadorismo brasileiro, onde até a denúncia de caráter moral se compromete com a descoberta da pista de aeroporto de R$ 14 milhões na fazenda do tio-avô, Marina consegue apresentar-se como candidata do “novo.”
Uma década de esforço permanente para criminalizar a política a pretexto de combater a corrução não poderia deixar de produzir resultados. O mais visível deles, na campanha de 2013, é Marina.
Foi adotada por eleitores , especialmente jovens, sem partido político, para quem todo político é ladrão e só pensa em se arrumar. Basta reparar quais foram partidos que Marina frequentou e quais aliados cultivou ao longo de sua já longa existência política para ponderar o que há de verdade e de mentira nessa visão – mas este é assunto para um longo debate politico, destinado a proteger e recuperar nossos valores democráticos.

Mônica Bergamo: PSB pode lançar Luiza Erundina

A colunista Mônica Bergamo, uma das jornalistas mais bem informadas do País, publicou, nesta tarde, uma nota que representa uma guinada nas especulações eleitorais; segundo ela, o PSB estuda lançar a candidatura de Luiza Erundina, ex-prefeita de São Paulo e filiada ao partido, como candidata à presidência da República; Marina Silva permaneceria como vice; sinal de que não há consenso em torno do nome da ex-senadora, que enfrenta resistência do atual presidente da legenda, Roberto Amaral.
247 - A colunista Mônica Bergamo, uma das jornalistas mais bem-informadas do País, publicou, nesta tarde, uma informação que pode alterar os rumos da sucessão presidencial.
Segundo ela, uma ala do PSB estaria inclinada a lançar Luiza Erundina, ex-prefeita de São Paulo, ao Palácio do Planalto.
É uma indicação clara de que não há consenso no PSB em torno do nome de Marina Silva, que enfrenta resistência do próprio presidente da legenda e sucessor de Eduardo Campos no cargo, Roberto Amaral.
Nacionalista e defensor de teses contrárias às de Marina, como a energia nuclear, Amaral é aliado do ex-presidente Lula e, no passado, foi contrário à candidatura do próprio Eduardo Campos. Ele defendia o apoio à reeleição de Dilma.
Amaral também foi contrário à aliança entre o PSB e a Rede, de Marina Silva.