Governo se adianta para minimizar danos antes que lama chegue a Colatina (ES)

A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira (12) que o governo federal vai adiantar todas as medidas possíveis para prevenir danos à cidade de Colatina, no Espírito Santo, causados pela grande onda de lama que vem descendo o Rio Doce e já afetou Governador Valadares (MG), além de vários municípios e pequenas comunidades. A previsão é de que a enxurrada de dejetos minerais atinja Colatina na próxima semana.
Dilma esteve na cidade capixaba nesta quinta-feira (12), para uma reunião de trabalho sobre o problema ambiental. Em entrevista coletiva, a presidenta avaliou que a principal providência é garantir a captação de água para o abastecimento da população da cidade, que é feita normalmente por meio do Rio Doce.
“Não podemos ficar de braços cruzados, nem o governo federal, nem o governo do estado, nem a prefeitura. Vamos agir no sentido de procurar a solução dos problemas, resolver em conjunto, fiscalizar a resolução do problema. Não é pura e simplesmente deixar a cargo da empresa [Samarco], porque quem cuida do interesse público somos nós”.
Nesse sentido, a presidenta determinou que o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, permaneça na cidade na próxima semana, quando a onda de lama atingir o local. A pasta de Occhi comanda a Defesa Civil Nacional e o Centro Nacional de Prevenção e Monitoramento de Desastres.
Ela avaliou que será um desafio fazer a prevenção de uma catástrofe dessa natureza. “Como é que você abastece 120 mil pessoas se a sua fonte de captação está comprometida?”
A presidenta elencou as iniciativas que foram tomadas nos últimos dias na cidade, e disse que as considerou bastante consistentes. “Buscar condições para pegar os carros-pipa, colocar os carros-pipa na rede de abastecimento existente. Utilizar todas as formas de reserva possíveis, como cisternas”, que poderão ser distribuídas por toda a cidade.
Outra ideia, segundo Dilma, é fazer a captação de água em duas lagoas próximas à cidade, por meio de uma adutora de engate rápido. Essa solução é muito usada no Nordeste, principalmente agora, que a região vive o quinto ano da seca mais grave da história do Brasil.
A terceira questão, que foi levada à presidenta Dilma pelo governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, é a de aproveitar esse momento de crise para revitalizar o Rio Doce. “Fazer, com essa ação, que a gente consiga transformar um momento de dificuldade, de crise hídrica, em uma forma de recuperar o rio”, destacou.

Comentários

Anônimo disse…
O PT está mesmo em polvorosa com a possibilidade de que Lula emplaque o ex-banqueiro Henrique Meirelles na posição mais forte do governo Dilma, substituindo Joaquim Levy.

Vem aí o Super-Meirelles.

Ele não esconde mais o jogo.

O ex-banqueiro quer plenos poderes para nomear novos ministro do Planejamento, presidente do Banco Central e chefe da Receita Federal.

Dilma, que sempre detestou Meirelles, já se conformou.

Se ela resistir, Lula irá derrubá-la.