Reação de Patrus Ananias ao ódio e à intolerância

"Este não vai ser o país do ódio. Ninguém vai nos tirar das ruas de Belo Horizonte.
Estive há pouco na Cervejaria Bar Brasil, um bar tradicional de BH, com minha esposa Vera, Carlão Pereira e sua esposa Jussara. Estávamos ali conversando entre amigos, sendo tratados com toda a gentileza pelos garçons. Pagamos a conta e levantamos para sair quando um homem em uma mesa próxima à porta começou a gritar, fazendo acusações de corrupção e levantando um daqueles cartazes - "Fora PT, Fora Dilma"...
Me aproximei e pedi 30 segundos para conversarmos. Ele retrucou que iria me "conceder 10 segundos". Respondi que colocasse num papel e assinasse todas as acusações sem provas em relação a mim, que amanhã mesmo eu entraria com uma ação contra ele. Então a conversa mudou, com ele dizendo que "eram acusações em relação ao PT". Uma câmera já estava posicionada desde o início, esperando para flagrar o momento "espontâneo".
Algumas mesas ao redor, articuladas a essa primeira, começaram a ampliar o barulho, tentando nos intimidar. Não arredamos pé. Respondemos às acusações sem fundamento, exigimos respeito, mantivemos a firmeza. O acusador da primeira mesa rapidamente foi embora em silêncio, enquanto nós permanecemos ali.
Tivemos uma conversa altiva e buscamos negociação e diálogo, com convém a uma sociedade democrática. Fizemos isso porque ninguém vai nos tirar das ruas e dos bares de BH. Nenhuma reação de uma manifestação organizada, travestida de espontânea, vai nos intimidar e limitar nosso direito de sentar com os amigos e a família em um bar numa tarde de domingo em qualquer cidade.
Porque este não vai ser o país do ódio generalizado, mesmo que esse seja o sonho de tantos que não conseguiram vencer democraticamente.
Este não vai ser o país onde se toma o poder pela força, usando mentiras e calúnias sem fundamento.
Este não vai ser o país onde quem grita mais alto tem razão. Este vai continuar sendo o país da democracia, de quem sabe ouvir, compreender e debater."
Patrus Ananias

Comentários

Anônimo disse…
É que essa quadrilha do mensalão/PETROLÃO não estava acostumada a ser vaiada em público. O que elles fizeram com outros governos...??? atacavam o Sarney, fora FHC( FHC assumiu dia 1º janeiro 1995, e já em fevereiro de 1995, a quadrilha fazia passeatas com FORA FHC). Agora querem respeito depois de toda essa roubalheira...!! O pior é que elles seguem o que Lenin pregava, falem, falem em democracia e qdo assumirem o poder, acabem com essa democracia.
Anônimo disse…
E o lixo ainda faz ameaças com artigos distribuidos pelos jornais da ditadura comunista do PT.
Somos 200 milhões!