Parlamentares se unem contra retrocessos nos direitos das mulheres

No Dia da Mulher, senadoras e deputadas lançaram Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos das Mulheres e contra retrocessos das pautas conservadoras
No Dia Internacional da Mulher, deputadas e senadoras lançaram a Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos Humanos da Mulher, no Congresso Nacional. De iniciativa da deputada federal Ana Perugini (PT-SP), a Frente busca fortalecer a luta contra o retrocesso de direitos garantidos pelas mulheres brasileiras.
“A Frente nasceu de um diálogo com nossa então ministra Eleonora Menicucci, em um momento em que nós estávamos vendo abertamente proposituras legislativas aqui na Câmara e no Senado de absoluto retrocesso aos direitos das mulheres e também uma movimentação na nossa sociedade de absoluto desrespeito às mulheres”, afirmou Perugini.
“Hoje tramitam aqui no Congresso projetos que representam perdas de direitos das mulheres, inclusive colocando em cheque a palavra da mulher quando ela sofre estupro. Além disso, nós trabalhamos em média seis horas a mais do que os homens, e continuamos recebendo menos que eles”, lembrou a deputada.

Ela ainda destacou que no Brasil, as mulheres representam menos de 10% dos espaços de poder. “Aqui na Câmara Federal não conseguimos nem passar a cota feminina de ocupação de espaços de 10%, que depois passaria a 12% e 16%, progressivamente. Com isso, o nosso País é o quarto em desigualdade por falta de participação das mulheres nos espaços de poder”, disse.
“Se nós continuarmos caminhando da forma como estamos hoje em relação ao retrocesso dos direitos das mulheres nos espaços de poder e de seus direitos humanos já conquistados na sociedade, todo no nosso País estará perdendo, com toda certeza”, enfatizou erugini.
A senadora Regina Sousa (PT-PI) acrescentou a importância da educação para mudar esse cenário de desigualdade. “É pela educação que a gente vai criar mentes saudáveis para o futuro, geração saudável de mente saudável, sem essa cultura de 500 anos que uma mulher é propriedade do homem”, ressaltou Regina.
Perugini afirmou que foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que enxergou a necessidade da afirmação de um Ministério exclusivo para combater a exclusão das mulheres no nosso País, que impulsionaram diversas políticas públicas voltadas para as brasileiras.
Nesta linha, a senadora Regina destacou algumas iniciativas do governo federal no combate à violência contra a mulher, como o Ligue 180. “Um número cada vez mais usado. Aumentou 54% o número de atendimentos, mostrando que as mulheres estão acreditando que suas denúncias serão encaminhadas”, disse.
“Uma iniciativa mais recente que considero fundamental é a Casa da Mulher Brasileira, criado pela presidenta Dilma Rousseff, que está iniciando, mas é uma política fantástica e vai ajudar muito à mulher vítima de violência, que é colocar em um mesmo lugar todos os instrumentos que ela necessita. É uma política importantíssima para a nossa luta”, destacou a senadora petista.
“A gente não está querendo tirar nada dos homens, agente está querendo apenas igualdade. Termino com uma frase: aos homens, todos os seus direitos e nada mais, e às mulheres, todos os seus direitos, e nada menos. Acho que isso pode nortear a nossa luta daqui pra frente”, finalizou a senadora Regina.
Por Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias

Comentários