UNE convoca dia nacional de mobilização em Brasília dia 31 de março

A União Nacional dos Estudantes (UNE) vai promover uma grande mobilização rumo à Brasília no dia 31 de março. Participarão do evento também as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por diversos movimentos sociais. “Somos a geração que transformou o Brasil, popularizou a universidade e conquistou mais direitos, chegou a hora de defender essas conquistas e lutar para avançar”, afirma o documento divulgado pelos estudantes de todo o país. 
Para a UNE, a defesa da democracia se faz na luta contra o impeachment, na defesa de uma mudança na política econômica, na garantia dos direitos dos trabalhadores e na participação popular.
A juventude demonstra ainda grande preocupação com a proposta da reforma da Previdência bem como rechaça os cortes nos orçamentos sociais, principalmente o corte na educação que ameaça a meta de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) ara o setor.

A UNE reafirma que a saída para a crise não está na ameaça dos setores sociais mais vulneráveis, mas sim no fim do ajuste fiscal, na queda dos juros, na auditoria da dívida pública, no fim do superavit e na taxação das grandes fortunas.
Defesa da Petrobras
O documento convocatório do Dia nacional de Mobilização aprovado pela UNE defende veementemente a integridade da maior estatal do país – a Petrobras – e o pré-sal como sinônimo da defesa da educação, uma vez que o financiamento do setor está diretamente ligado ao Fundo Social.
Recentemente, o Congresso Nacional aprovou um projeto de Lei, de autoria do senador José Serra (PSBD-SP), que retira a obrigatoriedade de a Petrobras ser a operadora única do pré-sal e também a participação de 30% na exploração do recurso.
As entidades sociais avaliam o fato como um duro golpe na democracia e nos investimentos em políticas públicas. Os estudantes sequer puderam acompanhar de perto a votação, sendo impedidos de entrar nas galerias do Senado.
Os estudantes também elegeram este como o momento do afastamento imediato do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da Presidência da Câmara. Para a juventude, Cunha é referência maior no Congresso Nacional da política atrasada, preconceituosa e intolerante.
Eduardo Cunha é ainda acusado de corrupção e de manter contas secretas na Suíça. O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quarta-feira (2) receber a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) que acusa o deputado de ter recebido propina no esquema de corrupção da Petrobras. Cunha se tornou réu pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, deflagrados na operação Lava Jato da Polícia Federal.
A UNE lançou recentemente a campanha #ForaCunha para pressionar a saída do parlamentar. 
De Brasília, com informações da UNE 

Comentários