SP - Ato Inter-religioso - dia 10-DEZ, 10 às 11 horas na Catedral da Sé

SÃO PAULO - Ato Inter-religioso - dia 10-DEZ, 10 às 11 horas na Catedral da Sé
Participe do Ato Inter-religioso a realizar-se no dia 10 de dezembro, das 10 às 11 horas na Catedral da Sé, em memória das vítimas de violência e contra todas as formas de violência praticadas nos dias de hoje.
Finalmente também o convidamos para a coletiva de imprensa, na própria catedral com os líderes religiosos que terão voz nesse evento, segundo informações abaixo:
COMUNICADO À IMPRENSA.
REF: OS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL.
O QUE É : entrevista coletiva.
SOBRE: Ato inter-religioso.
DIA: 10.12.2016 (sábado).
HORÁRIO: 9:00 h.
ONDE: Catedral da Sé.
POR QUE: Dia Internacional dos DIREITOS HUMANOS.
A COMISSÃO JUSTIÇA e PAZ da Arquidiocese de São Paulo têm a honra de convidar este prestigioso veículo de comunicação para entrevista coletiva sobre a situação dos DIREITOS HUMANOS  no Brasil.
OS ENTREVISTADOS.
Estarão presentes líderes das comunidades católica, evangélica, judaica, islâmica, das matrizes afrodescendentes, indígena e MILITANTES LAICOS engajados na defesa dos  DIREITOS HUMANOS.
JUSTIFICATIVAS. A MOBILIZAÇÃO.
O encontro converte-se em gesto que ocorre num contexto especial: abraçar a DEMOCRACIA e condenar todo tipo de violências, perseguições, intolerâncias e xenofobias presentes em acelerado processo de avanço em nosso País.
Terminada a concelebração do ATO INTER-RELIGIOSO (que transcorrerá das 10h às 11h na catedral), grupos farão breves pronunciamentos na escadaria e seguirão em marcha silenciosa liderada pelas MÃES de MAIO até o Pátio do Colégio, espaço para a concentração e manifestação pública, com apresentação de músicas típicas.
OS EXEMPLOS. A IMPUNIDADE.
. A Anistia Internacional considera grave o aumento dos casos dos homicídios praticados por policiais nos últimos três anos nas duas principais metrópoles brasileiras: São Paulo e Rio de Janeiro.
. Em torno de 85% desses casos permanecem impunes (sem esclarecimentos), o que para a Anistia corresponde a grave violação dos DIREITOS HUMANOS.
. A repressão e as mortes concentram-se entre as populações das áreas pobres da cidade e região metropolitana.
. Jovens negros são as principais vítimas, na proporção de 3 para cada pessoa de cor branca que perde a vida de maneira análoga. A situação significa delituosa e afrontosa atitudes do Estado às liberdades civis e garantias fundamentais consagrados na nossa própria Constituição Federal.
. Também tem recrudescida a criminalização dos movimentos sociais, a truculência contra os estudantes, em incidências que se aproximam à realidade do período da ditadura civil-militar pós-1964.
O PROPÓSITO. OBJETIVOS.
A mobilização tem por motivação demonstrar UNIDADE de resistência em torno das SALVAGUARDAS constitucionais dos DIREITOS HUMANOS, conforme prescreve o Artigo 5.o do Capítulo I ('Dos Direitos e Deveres individuais e coletivos') do Título II (''Dos direitos e garantias fundamentais') da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988.
A DECLARAÇÃO DA ONU.
OS PONTOS CAPITAIS.
Artigo 1.o: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em DIREITOS".
Artigo 2.o: todos podem invocar os DIREITOS e às liberdades, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, religião opinião...".
Artigo 5.o: "Ninguém será submetido a tortura bem como a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes".
Artigo 18: "Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.".
Texto-base.
JOSÉ LUIZ LONGO.
Jornalista
MTb: 13.448.
agradecemos a sua presença,
forte abraço,
Célia Medina​
Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo
(Associada ao Centro ​de Estudos Barão de Itararé
e membro do Coletivo Democracia Corinthiana)

Comentários