Estadão cria tuíteiros para ajudar Doria

Por Renato Rovai, em seu blog:
Os jornais estão super preocupados com a tal da pós-verdade, mas não se incomodam com mentiras sem pé e nem cabeça para defender seus pupilos. Leia esta nota da Coluna do Estadão de hoje:
Isso mesmo, eles falam em 59 milhões de pessoas engajadas num tuíte de João Doria. Ou seja, pessoas que curtiram, comentaram ou replicaram a postagem. Sequer se perguntaram quantos usuários o Twitter tem no Brasil e quantos são ativos. Se fossem mais sérios teriam ido buscar qual a quantidade média de usuários/dia.
Como o leitor pode ver abaixo, a mensagem em vídeo gravada por Doria para responder à Amazon recebeu 5,2 mil curtidas, 1,8 mil retuítes e 420 respostas, até a publicação desta nota. Ou seja, como é possível que quase 60 milhões de pessoas possam ter se engajado no tuíte de Doria?
É uma piada. Jornalismo? Que nada, assessoria de imprensa mesmo. No esquema mais pós-verdade impossível. O povo da Amazon deve estar com dor de barriga de tanto rir.
PS 1: Se eu fosse assessor da Amazon, eu mandava enfiar essa “cutuvelada” no co. Assim eles aprenderiam, quem sabe, a respeitar, além do jornalismo, a língua portuguesa.
PS 2: O número de perfis no mundo, segundo o Twitter, em 2016, era de 319 milhões. Porém, boa parte das pessoas que tem um conta na rede social simplesmente a criou e não aparece por lá. Estudo da PeerReach diz que cerca de 56% de todos os usuários do Twitter não usam a rede. Ou seja, há aproximadamente 150 milhões de usuários ativos. No Brasil, este número não deve chegar a 10 milhões.

Comentários