FHC, o hipócrita, defende o "Fica, Temer!"​

Tem o Caixa Dois limpo, do PSDB, e sujo...
FHC Brasif, como se sabe, comprou uma reeleição com dinheiro vivo, entregue em pacotes de supermercado e cheques pré-datados, como demonstra o Palmério Dória no "Príncipe da Privataria".
Foi o maestro da "Privataria Tucana", do Amaury Ribeiro Jr., quando clã do Careca deitou e rolou.
FHC Brasif convive irmãmente com o Careca desde que os dois se foragiram no Chile - e o FHC nunca percebeu que o Careca é o brasileiro mais rico, especialista em "desvios" desde 1983!
No inquestionável "Operação banqueiro", Rubens Valente demonstra que FHC Brasif foi vítima e co-autor de todas as estrepolias do Daniel Dantas e do Ministro Gilmar Mendes (Valente prova que sem o Gilmar não haveria Dantas).
FHC Brasif comprou um apartamentaço em Higienópolis das mãos do desinteressado banqueiro Safdié, em transação que o Ministério Público (sic) acabará de examinar quando o Careca voltar a ter cabelo.
Quando deixou a Presidência da República, fragorosamente derrotado pelo Lula, com uma popularidade que rivaliza com a do MT hoje, FHC Brasif foi para uma fazendola que comprou em Minas com o trator do Sérgio Mota e, depois, o Jovelino Mineiro deu um jeito de transferir para os filhos dele, FHC.
Por falar em filho, Mirian Dutra e o Mario Sergio Conde sabem que o filho dele é de um biólogo que estudava em Londres.
É esse Tartufo, como diz o Mino Carta, que, numa de suas 8.094 entrevistas exclusivas nesse mês de abril, diz que vai votar no Prefeito caviar e entra na barcaça gilmariana do "Fica, MT!":
Eleição indireta pelo Congresso causaria ainda mais confusão, diz FHC
O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso afirmou, em entrevista exclusiva ao Jornal da CBN, que a realização de uma eleição indireta pelo Congresso em caso de vacância da presidência iria gerar ainda 'mais confusão.' O mecanismo é previsto na Constituição, mas seria usado apenas em caso de cassação da chapa Dilma-Temer, que será julgada pelo TSE a partir desta terça-feira.
FHC lembra que o escolhido pelos parlamentares ficaria apenas um ano no cargo. E seria justamente em ano de eleição. Sobre a separação da chapa, que tem sido ventilada nos bastidores de Brasília, o ex-presidente disse que é uma questão para a Justiça. No entanto, ele afirma que o 'Brasil está há muito tempo de pernas pro ar, mas começa a assentar um pouco. Levar muito tempo em um julgamento que põe em risco a situação vigente tem consequências negativas.' Sobre cassação ou absolvição, ele diz que não sabe se 'é pior a emenda ou o soneto. Temos que pensar que temos 13 milhões de desempregados.'
Perguntado por Mílton Jung sobre a relação entre caixa 2 e corrupção, FHC afirmou que são coisas diferentes:
'Caixa 2 é delito, é crime. Agora, a penalização não é igual à da corrupção. A corrupção se caracteriza pelo facilitário por políticos e autoridades, para burlar dinheiro público e favorecer terceiros. Outra coisa é caixa 2, que pode ser crime também. Mesmo que o caixa 2 não implique em corrupção, implica necessariamente em falsidade ideológica, já que não foi declarado à Justiça.'
Fernando Henrique ainda fez uma defesa incisiva de um modelo de reforma política que reduza o número de partidos e dificulte a criação de novos. 'O sistema partidário eleitoral montado não tem mais a confiabilidade da população. Isso está visível. Houve uma fragmentação partidária enorme. São trinta e poucos partidos, isso é inviável. A maioria não é partido. São letras, são siglas. Eles vão buscar dinheiro no fundo partidário e negociar tempo de televisão.'
Ele diz que 'não há dinheiro que dê conta de trinta e poucos partidos. Tem que ter uma cláusula de barreira. Chegou a hora de fazermos uma reconstrução política e moral no Brasil.' FHC defendeu ainda a proibição de coligações na eleição proporcional e acatou a ideia de um novo 'Plano Moral', em alusão ao Plano Real, que conduziu nos anos 1990.
Pensando em 2018, ele evita cravar seu apoio a um nome específico dentro do PSDB. Sem saber os resultados da Lava-jato e tendo em mente a citação dos principais nomes tucanos no Congresso, FHC diz que é preciso ver 'quem para em pé e quem não para em pé.'
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso está lançando o terceiro volume da série de livros 'Diários da presidência'. Dessa vez, ele trata do período entre 1999 e 2000 e fala sobre o período da crise cambial e da relação com Itamar Franco, enquanto foi governador de Minas Gerais. O trabalho tem mais de 800 páginas, e FHC explica que gravava quase todos os dias o seu diário enquanto esteve no Planalto.
Com isso, criou uma grande quantidade de documentações e gravações. 'Foi sendo pouco a pouco desgravado' por uma assessora que trabalha com ele há 40 anos, explicou. E FHC afirma: 'é um documento para a história.' O próximo volume deve sair no ano que vem e abordar os acontecimentos de 2001 e 2002. Fonte: Conversa Afiada.

Comentários