'Temer transformou o Palácio do Planalto num shopping center', diz deputado

Para Silvio Costa, "reforma da Previdência está derrotada", mesmo se confirmado que governo vai distribuir verbas publicitárias pelo país: "não conheço nenhum deputado que goste de se suicidar"
por Eduardo Maretti, da RBA
Se for confirmada a informação de que o presidente Michel Temer decidiu agraciar rádios e jornais Brasil afora com verbas publicitárias para defender a reforma da Previdência, essa atitude não vai mudar votos, nem mesmo da base do governo, que hoje são contrários à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287. Pelo menos é o que pensa o deputado Silvio Costa (PTdoB-PE). "A reforma da Previdência está derrotada, e o governo sabe disso", diz.
O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, estaria encarregado de elaborar um mapa de veículos e cidades que podem ser contemplados com as verbas. Os deputados fariam a intermediação, votariam na reforma e, em troca, ainda ganhariam espaços em rádios e jornais.
"Isso na verdade é o modus operandi do governo Temer sendo exposto. Ou seja, o Brasil precisa saber, se não sabe ainda, que Michel Temer transformou o Palácio do Planalto num shopping center, numa mercearia", afirma o deputado pernambucano.
Segundo a colunista Mônica Bergamo, muitos parlamentares procuram Moreira Franco com a relação de veículos de comunicação indicados a receber as verbas. "Se isso for comprovado, nós deveríamos tentar criar uma CPI", diz Silvio Costa.
Qual sua opinião sobre a informação de que o governo pretende trocar votos por verbas publicitárias em veículos de imprensa?
Isso na verdade é o modus operandi do governo Temer sendo exposto. Ou seja, o Brasil precisa saber, se não sabe ainda, que Michel Temer transformou o Palácio do Planalto num shopping center, numa mercearia. Ele está negociando tudo lá: negociando cargos, emendas. E agora eu estou indignado com esse tipo de proposta do ministro Moreira Franco. Na próxima semana, irei à tribuna e vou evidentemente questionar se é realmente verdade. É uma coisa tão esdrúxula, tão indigna, que custa-me acreditar que o país, uma das maiores economias do mundo, chegou a esse estágio, o governo pagar publicidade para parlamentares defenderem a reforma da Previdência.
Conhece parlamentares que estejam propensos a aceitar a proposta?
Não, eu não tenho conhecimento. Estou fazendo a leitura pelas notícias que vi na mídia. Agora, se isso acontecer, nunca vi coisa tão indigna em 500 anos de Brasil.
A reforma da Previdência tem cada vez mais oposição na Câmara...
A reforma da Previdência está derrotada, e o governo sabe disso.
Mas com verbas de publicidade, o governo não consegue reverter essa tendência?
Não, não. São atitudes que provam o desespero do governo. Na verdade, a essa altura, o governo não está nem preocupado em aprovar a reforma. Ele está preocupado com o Henrique Meirelles, que a rigor é quem manda no país, e não o Michel Temer. Michel Temer é uma marionete. Se a reforma não for aprovada, Meirelles sai do governo. Meirelles, quando mandou a reforma, eles garantiram que tinha governabilidade e aprovava. Mas é evidente que a reforma da Previdência está literalmente derrotada.
O senhor não acha que distribuir verbas publicitárias pelo interior do país tem grande apelo de convencimento?
Se isso for comprovado, primeiro nós deveríamos tentar uma CPI. É difícil conseguir 171 assinaturas, mas deveríamos tentar. E evidentemente, se isso for comprovado, na minha opinião, não vai mudar um voto sequer dos parlamentares. Por quê? Porque o Michel Temer pode gastar um bilhão de publicidade por dia. O povo brasileiro já entendeu que é um governo que quer tirar direitos do trabalhador. Ponto. E eu não conheço nenhum deputado que goste de se suicidar.
O senhor já falou na tribuna da Câmara que Temer não chegaria ao final do mandato. Mantém essa previsão?
Eu lamento, mas essa minha previsão deu errado. Lamentavelmente ele vai se segurar até 2018.
Acredita que vai ter eleição normalmente, o Lula vai ser candidato, o que acha do quadro?
Não tenho dúvida de que ele será candidato à presidência da República, e será um candidato forte. Até porque ninguém pode ser condenado por convicção. Pra ser condenado tem que ter prova material. Acho que o juiz Sérgio Moro, em que pese um erro aqui e acolá, presta um grande serviço ao país. Mas 102 testemunhas já foram ouvidas e nenhuma incriminou o presidente Lula. Essa história de prendê-lo é uma causa natimorta e também não vai deixar Lula inelegível. Ele vai ser candidato a presidente e vai ganhar a eleição.
Pelo menos no Nordeste ele não tem adversário...
Não é só no Nordeste. Minas Gerais não é Nordeste, e Lula lidera as pesquisas lá. No Rio de Janeiro, onde as pessoas efetivamente reconhecem as políticas de inclusão social dos governos Lula e Dilma, ele também lidera. Não lidera no Leblon, Ipanema, na Avenida Paulista. Mas lidera sobretudo entre as pessoas e camadas sociais que, entre os rentistas e o emprego, preferem o emprego. Lula foi o presidente do emprego no Brasil.

Comentários