Dilma Rousseff participa de aula inaugural na UFRGS

Em um Salão de Atos da UFRGS praticamente lotado, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) participa como convidada especial da aula inaugural do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da universidade, na tarde desta terça-feira. Recebida aos gritos de "Dilma guerreira, mulher brasileira", a ex-chefe do executivo nacional disse estar emocionada em voltar à instituição, criticou Michel Temer e questionou o processo de impeachment que a afastou da presidência no ano passado.
— Me sinto emocionada de voltar aqui na UFRGS mais uma vez. Como vocês, eu compartilho a honra de me formar nesta universidade.
Dilma destacou, mais uma vez, que não existiu base para o processo de impeachment que a afastou da Presidência da República e que Temer cometeu "sincericídio" ao admitir, em entrevista, que Eduardo Cunha só aceitou a abertura do impeachment contra a petista após o governo não garantir votos favoráveis no julgamento do ex-presidente da Câmara no Conselho de Ética da Casa.
— Se isso não foi sincericídio, foi tolice.
O local da aula inaugural está quase lotado, com poucos lugares vazios. Em um discurso intercalado por aplausos, a ex-presidente também citou as afirmações do senador Romero Jucá, que deu indícios da necessidade de tirá-la do poder para "estancar a sangria" da Lava-Jato.
— Um dos principais objetivos do golpe foi enquadrar o Brasil no neoliberalismo — disse.
A ex-presidente também atacou a implantação da política de teto de gastos públicos que, segundo ela, só prejudica a população mais carente do país, que necessita de serviços básicos:
— O golpe foi um processo planejado e tira os pobres do orçamento. Eles são os que mais precisam de saúde e educação nesse país — afirmou.
Por: Anderson Aires - Zero Hora.

Comentários