Lula: Quero voltar para provar que é possível recuperar o País

Em entrevista transmitida ao vivo para mais de 780 mil pessoas, Lula declarou que é candidato para o Brasil recuperar a autoestima e a esperança
Em mais de duas horas de conversa transmitida ao vivo para mais de 780 mil pessoas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o convidado especial desta quinta-feira (20) do programa “Na sala do Zé”, do jornalista José Trajano.
Além de perguntas de Trajano, Lula também respondeu questionamentos de outros três jornalistas, Juca Kfouri, Antero Greco e Carlinhos Vergueiro, sobre assuntos que iam desde futebol, passando por política e pela Operação Lava Jato.
A candidatura de Lula à Presidência do Brasil também foi tema da conversa.
“Se tiver eleições e eu for candidato, eles sabem que eu posso ganhar. Tenho uma relação umbilical com os trabalhadores e as pessoas sabem que o fizemos no Brasil não foi pouca coisa”, afirmou, relembrando que quando saiu do governo, após oito anos de gestão, tinha 87% de aprovação.
E declarou: “Eu agora tenho obsessão de voltar para provar que é possível recuperar esse País”.
O ex-presidente ressaltou, ainda, que mesmo com toda perseguição do qual é alvo, não tem o direito de desanimar, pois o País precisa recuperar sua autoestima, a esperança e a credibilidade.
“Eu tenho o que contribuir pra esse País. Um cara que sai de Garanhuns pra não morrer de fome e vira presidente. E depois saio o presidente mais bem avaliado desse País. O que eu quero mais da vida?”.
Lula ainda mandou um recado para aqueles que torcem contra o Brasil.
“Eu nasci para não desistir. Esses caras que trabalham contra o Brasil, que têm complexo de vira-lata e que não gosta de pobre, saibam que vou estar no calcanhar deles”.
O petista rememorou os primeiros anos do seu governo, a criação do Bolsa Família e do programa Fome Zero, e da política externa que colocou o Brasil como protagonista internacional.
“Eu tinha consciência que o podre não era problema. O pobre passou a ser tratado com cidadão. Consertamos a economia, fizemos com que o Brasil fosse protagonista internacional. As pessoas passaram a tratar o Brasil com uma deferência, até porque esses programas passaram a ser referência para o mundo”, apontou.
Operação Lava Jato
Outro tema recorrente na conversa de Lula com os jornalistas foi a recente sentença proferida pelo juiz Sergio Moro, que condenou o ex-presidente.
Lula ressaltou que não ficou incomodado com a sentença, pois já esperava que essa fosse a posição de Moro, por este estar comprometido com aqueles que querem afastar Lula das eleições.
“Eu não fiquei incomodado com a sentença, porque quando eu fui dar depoimento, eu cantei a bola, eu disse a Moro que ele estava refém do pacto que ele fez com a imprensa”, disse.
E criticou a sucessão de mentiras contadas pela força-tarefa da Lava Jato e por alguns procuradores do Ministério Público. Mentiras essas, na avaliação do petista, que prejudicam o País e seu povo.
“O País não agüenta essa quantidade de mentira que estão contando. Essa gente não pode levar o País à situação que eles levaram pra prejudicar o Lula. O povo brasileiro não merece isso”, declarou.
Lula destacou que em sua sentença, o juiz Moro reconheceu que ele não é dono de Triplex nem de sítio em Atibaia.
“Não é possível segurar a tese deles teoricamente, é preciso de prova prática. O Moro reconheceu no parecer dele que não sou dono do Triplex”, apontou.
E enfatizou que foi nos governos do PT que mais se combateu a corrupção.
“Nunca antes na história do Brasil um partido político criou tantos mecanismos de proteção ao Estado. Quem mais criou mecanismo da autonomia no Ministério Público. Pela minha tradição republicana, eu sempre indico o primeiro da lista”
Para Lula, um juiz não tem que ficar preocupado com a opinião pública, e sim com os autos do processo.
“A Lava Jato montou um esquema de comunicação que tudo tem que sair primeiro no jornal pra poder se tornar verdade e não pelos autos”.
Mesmo com toda perseguição, Lula confirmou que continua acreditando na Justiça.
Por Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias.

Comentários