Conselho arquiva denúncia contra senadoras que se rebelaram contra reforma trabalhista

Colegiado rejeitou por 12 votos a 2, e uma abstenção, pedido de abertura do processo contra parlamentares que ocuparam a Mesa do Senado durante votação da reforma trabalhista
por Redação RBA
Por 12 votos a 2 e uma abstenção, os membros do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar arquivaram, na tarde desta terça-feira (8), a denúncia contra as seis senadoras que ocuparam a Mesa do Senado na sessão de votação da reforma trabalhista (PLC 38/2017), em julho.
O pedido de abertura do processo foi feito pelo senador José Medeiros (PSD-MT). Na peça, ele afirmou que as senadoras "quebraram o decoro com a obstrução física". Eram listadas na denúncia as senadoras Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Regina Souza (PT-PI), Lídice da Mata (PSB-BA) e Ângela Portela (PDT-RR).
A reunião do Conselho chegou a ser interrompida no meio da tarde após o líder do PT na Casa, Lindbergh Farias (RJ), ter dito que a reunião era "ridícula", apontando que seria incoerente uma eventual punição às senadoras em face do arquivamento da denúncia contra Aécio Neves (PSDB-MG). O ex-presidenciável tucano foi flagrado em gravação pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, do grupo J & F. Após a declaração, o senador Gladson Cameli (PP-AC) respondeu pedindo "respeito" à Casa.
Mais cedo, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) já havia declarado à Rádio Senado que seria um contrassenso a punição às parlamentares. "Poderia até ter algum tipo de advertência. O problema é que não tem credencial moral um Conselho de Ética que anistiou um senador, com volumosas provas de corrupção, parta fazer qualquer tipo de advertência contra quem quer que seja."
Entre os membros do colegiado, Airton Santoval (PMDB-SP) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA) votaram pela aceitação da denúncia contra as senadoras, e Roberto Rocha (PSDB-MA) se absteve. Votaram pela rejeição os senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Helio José (PMDB- DF), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Eduardo Amorim (PSDB-SE), Gladson Cameli (PP-AC), Acir Gurgacz (PDT-RO), Telmário Mota (PTB-RR), Lasier Martins (PSD-RS), José Pimentel (PT-CE), João Capiberibe (PSB-AP), Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) e Pedro Chaves (PSC-MS).

Comentários