Mesmo sob ataque, Lula lidera em todos os cenários para 2018

Pesquisa CUT/Vox Populi mostra que intenção de voto no ex-presidente estimulada está em 53%, mesmo após condenação arbitrária feita por Sérgio Moro
Apesar de ter sido condenado arbitrariamente pelo Juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, e de sofrer ataques diariamente por parte da mídia, a intenção de votos no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018 continua a crescer.
No voto espontâneo, Lula tem 42% dos votos, contra 8% de Jair Bolsonaro (PEN-RJ), 2% de Marina Silva (Rede-AC), 1% de Sérgio Moro, 1% de Ciro Gomes, 1% de Joaquim Barbosa, 1% de João Doria (PSDB-SP), 1% de Fernando Henrique Cardoso, 1% de Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e 0% de Aécio Neves. Outros receberam 3% dos votos espontâneos. Ainda segundo a pesquisa, 16% disseram votar nulo/branco e não souberam responder, 25%. Em junho, o ex-presidente tinha 40% dos votos.
O levantamento mostra que o ex-presidente Lula lidera as intenções de voto para presidência da República no segundo turno nos quatro cenários pesquisados: contra Jair Bolsonaro ou João Doria, Lula alcança 53% das intenções de voto; se os candidatos forem Geraldo Alckmin ou Marina Silva, Lula bate ambos com 52% dos votos.
Nesses cenários imaginados pela pesquisa, Bolsonaro teria 17% dos votos. Já Alckmin, Doria e Marina alcançariam, no máximo, 15% do total de votos, cada um.
A nova pesquisa  CUT-Vox Populi foi realizada entre os dias 29 e 31 de julho. O ex-presidente foi condenado por Sérgio Moro no dia 12 de julho.
No cenário em que a intenção de voto foi estimulada com Alckmin, o tucano atinge 6% das intenções de voto e Lula, 47%. Bolsonaro tem 13%, Marina, 7%, e Ciro, 3%.
Na estimulada com Doria, Lula tem 48% das intenções de voto, Bolsonaro manteve os 13%, Marina subiu para 8% e o prefeito de São Paulo empatou com Ciro Gomes, com 4%.
O melhor presidente do Brasil
Para 55% dos entrevistados, Lula é o melhor presidente que o Brasil já teve para 55% dos brasileiros. O número passou de 49% para 55% entre junho e julho deste ano. O outro nome lembrado é o de Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), com 15%.
Para Marcos Coimbra, diretor do Instituto Vox Populi, vários dados pesquisa podem explicar porque Moro não acabou com as intenções de voto positivas no ex-presidente.
“Um deles, muito importante, é que, para 42% dos entrevistados, Moro não provou a culpa de Lula no caso do tríplex do Guarujá. Para 32%, Moro provou e, outros, 27% não souberam ou não quiseram responder”.
Além disso, 58% dos brasileiros consideram Lula um bom administrador, 65% dizem que ele é trabalhador e 61% afirmam que a vida melhorou nos 12 anos de governos do PT.
Pessimismo e descrença com Temer
Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), lembra dados da pesquisa como os de que, com Temer, a vida piorou para 61% dos entrevistados – em junho o percentual era de 52%.
Aumentou também o pessimismo e a descrença quanto a capacidade de Temer de controlar a inflação – em junho, 62% achavam que a inflação ia aumentar. Em julho, esse percentual pulou para 75%. Cresceu também o percentual dos que acham que vai aumentar o desemprego no Brasil – de 68% em junho para 72% em julho.
“O povo quer votar em quem tem compromisso com a classe trabalhadora tanto para voltar a ter uma vida melhor, quanto para reverter as medidas que Temer tomou para acabar com a CLT e a aposentadoria, entre tantas outras desgraças desta gestão golpista”, conclui Vagner.
A pesquisa UT/Vox Populi, realizada nos dias 29 e 31 de julho, entrevistou 1999 pessoas com mais de 16 anos, em 118 municípios, em áreas urbanas e rurais de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior. A margem de erro é de 2,2 %, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

Comentários

Presidiário José Dirceu disse…
O ex-senador Pedro Simon disse hoje ao jornal Zero Hora que à medida que Lula fica mais perto da confirmação da prisão, cresce a possibilidade de uma acordão entre os grandes Partidos:

- PSDB, PT e PMDB, todos os Partidos, podem se reunir para uns livrarem a cara dos outros.

O perigo existe.